A derrocada do PT, Moro e o PSOL - Rafael Brasil

 


Moro disse que o PSOL é o partdo mais relevante da esquerda agora. Devia ser mais preciso, posto que agora se tornou político de oposiçõao e dizer que o PSOL é um partido da extrema esquerda, porque ninguém diz isso? O PSOL é o PT de antigamente, um partido radical anti cristão, e que prega a libertação de bandidos, o aborto dentre muitas outras absusdidades.

O PT perdeu quase todas, e ninguém da esquereda quer o apoio de Lula, que ainda se acha o rei da cocada preta. Em São Paulo, vai para o segundo turno o tal de Boulos, um radical que prega a invasão de propriedades, claro, desde que não seja a sua. Ainda dizem que é o norsestino que nção sabe votar. 

Na verdade nosso sistema político apodreceu. Em certas ocasiões não se tem simplesmente em quem votar, afinal para ser candidato os filtros partidários podemos dizer assim, só dão vez a candidartos picaretas , para dizer o mínimo. E o povo continua a ser enganado tendo dempre que optar pelo menos ruim.

Também Moro falou do suposto insucesso da direita e em especial de Bolsonaro. O presidente apoiou alguns candidatos que perderam como Russomano em São Paulo, mas o presidente pecou em não construir seu partido. O apoio não foi nem tão ostensivo, afinal o presidente não se sentia representado pela miríade de candidatos apresentados. Urge pois criar rapidamente seu partido isso já era para anteontem. 

Já Moro devia apoiar alguém, já que se coloca como candidato, ao senado ou mesmo à presidência. Fica se manifestando nas redes sociais, e enaltecfendo partidos radicais como o PSOL. Aliás o próprio Moro se coloca como partidário da social democracia ou seja a esquerda mais moderada, participou de uma terrível trama para derrubar o presidente, saiu atirando, e o presidente ganhando mais popularidade, seja pelas medidas de auxílio à população em tempos de crise, como pelo direcionamento da pauta reformista na economia, alicerçada pelos acordos no congresso que possibilitarão à efetivação das reformas, fundamentais para o desenvolvimento do país.

Portanto o mais importante agora será a eleição da presidência da câmara e do senado. Mas é fundamental que a direita se organize num partido, realmente orgânico, como diria Gramsci. E que a tarefa dos militares são os quartéis, afinal o que precisamos é de formar bons quadros políticos. É isso aí, os comunistas estão certos em priorizar o partido, e a direita precisa aprender este fundamento básico da política. Sem, sem quadros inclusive intelectuais, não se constrói um partido, e é preciso começar antes que seja tarde, afinal a esquerda nunca dorme e é muito poderosa com suas extraordinárias e demoníacas conexões internacionais. Alguém duvida?

Nenhum comentário:

Postar um comentário