Abaixo a ditadura do STF! Rafael Brasil



Celso de Mello cita droga em avião da FAB e Moraes ironiza ...



Quem manda no país hoje é o judiciário, mais especialmente o odiado pelo povo, STF. O STF legisla, interfere no poder executivo, investiga, prende e arrebenta com a lei e a ordem. Isso mesmo: O STF é o maior fator de desestabilização institucional do país, e o povo tem que reagir. Como? Nas ruas, praças, redes sociais, e sobretudo pressionar os parlamentares, que, muitos suspeitos de corrupção, morrem de medo das retaliações mais do que seletivas da corte. E bota seletividade nisso.
Enquanto processos como de gente como Renan Calheiros, Aécio Neves e muitos outros, dormem nas gavetas do supremo, além de casos escabrosos de corrupção prescrevem, ou mesmo os meliantes como Gleise Roffmann são absolvidos, a corte persegue cidadãos de bem, geralmente blogueiros que apoiam governo, que foram presos, e muitos tiveram a “visita” da polícia federal em suas casas, numa aberração absurda de invasão de domicílio, sob as acusações de criticarem em redes o supremo. É como se estes pulhas fossem infensos à críticas, ora essa. Não se comportam como cidadãos comuns e brincam com o povo e a constituição.
Claro, a maioria foram indicados pelo petismo a maior organização criminosa da nossa história, e agem como tal, protegendo diuturnamente ladrões do dinheiro público e bandidos do mais alto calibre da nação estarrecida e zangada, claro.
Agora se sentem como o tal do decano , classificado pelo ex ministro da justiça de Sarney Saulo Ramos de juizinho de merda, como guardiões da democracia diante de uma suposta escalada autoritária do governo. Um governo que respeita fielmente a democracia e está provando isso. Só que não pode ficar preso a essa gente. Para isto tem um dispositivo constitucional que é o art. 142 da constituição que abre caminho para uma intervenção radical na corte. Só assim o país terá paz, e os meliantes, inclusive do STF possam pagar pelos seus crimes de lesa pátria e claro, de prováveis casos escabrosos de corrupção.







Um comentário: