Prefeitura do Recife gasta três vezes mais do que São Paulo - Rafael Brasil


A roubalheira do covid vai dar muito o que falar, e claro, muito trabvalho à imprensa e sobretudo à polícia federal. É o apelidado por Roberto Jefferson de COVIDÃO. 
Pululam em todo o país os casos mais escabrosos de corrupção, por esas e outras muitos políticos , sobretudo os de esquerda, sedentos por dinheiro às verperas das eleições para as prefeituras torcem mesmo pelo vírus, com a devida ajuda dos bandidos do STF e congresso.
No Rio de Janeiro, em Belém do Pará e em muitas cidades, prefeitos fazem a farra com o dinheiro da pandemia, e pior: fazem o diabo com a população pobre, cerceando toddos os direitos mais fundamentais, afinal, nem Hitler nem Stálin prenderam o povo em suas casas.
E pior: Soltaram cerca de 30 mil ladrões de todas as espécies e a violência explodiu, mas a mídia nada fala, afinal é cúmplice dos maiores bandidos da nossa história, a quadrilha petista cuja resiliência no estado é  infinita na sua diabólica hegemonia. 
Em Recife, a quadrilha encastelada no poder, desde a morte de Arraes e seu neto Eduardo Campos, gastou três vezes mais do que São Paulo, nas despesas do coronavírus, tudo, claro sem licitação. E muito mais do que as demais capitais do país. 
É a quadrilha da oligarquia dos defuntos que inferniza e assalta o estado há décadas. E pior: É um dos governos mais opressivos do país, afinal nas ruas do Recife não se pode nem usar mais camisas que lembrem as cores da bandeira nacional.  
Toda nação vai acompanhar estes tristes casos de corrupção deslavada, que infelizmente com a devida chancela do STF se tornaram rotina. Um STF mais do que desmoralizado e que é o principal fator de instabilidade institucional no país.
Todos sabem que a corrupção está no coração do judiciário, afinal falta a lava toga. A ver, mas enfim todos sabem disso, e só com uma grande pressão popular, o país poderá usar o artigo 142, defenestrando os corruptos do supremo, e restabelecendo os germes da futura democracia no país. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário