O barracão de bandidos de Witzel - Rafael Brasil





Quem  conhece um pouco da nossa triste história de exploração extrema dos pobres camponeses, desde os cortadores de cana do nordeste até os seringueiros da amazônia, sabe a triste história dos barracões, que podemos chamar de barracões da escravidão.
Nestes barracões o sujeito tinha que comprar o que tinha, e por preços abusivos, fiado. Quando no final do mês ou da semana de extenuante trabalho, eles deixavam seus parcos salários nestes tristes estabelecimentos, e ainda ficavam devendo. Geralmente os donos destes mercados, eram ou os fazendeiros ou mesmo os capatazes. Muitas vezes o sujeito nem podia fugir, pois era escravizado até a morte e prisioneiros de sua fome eterna, e eterna escravidão, de receber seus parcos salários.
Os presos do sistema presidenciário estadual vão receber um adicional para o lanche, e nas cantinas dos presídios, luxo que milhões de brasileiros não tem.
Além do salário reclusão, e de terem cardápios bem variados, em comparação com o cidadão pobre comum, os presos terão um adicional de mais de 800 reais por mês para compra nas cantinas dos presídios.
Ao contrário dos barracões tradicionais dos latifundiários de triste memória, os presos não trabalham, recebem salário, e agora tem mais esta vantagem. Muito bonito, não? Coisa de deixar gente como Marcelo Freixo babando de inveja.
Só que, claro, tem um porém, como dizia nosso saudoso teatrólogo Plínio Marcos. Quem vai pagar comandar estes barracões, e num  governo de um estado falido pelo inchaço de funcionários, estes com péssimas perspectivas até de receberem seus salários? Claro, o estado, melhor dizendo o contribuinte.
Witzel, um corrupto fascista que governa o Rio, inovou, claro, com atenuantes e adaptações seguindo a linha globalista da nossa política de desencarceramento e de favorecimento da bandidagem, afinal para essa gente bandido é sempre  vitima da sociedade. 

Witzel como muitos outros foi eleito nas costas de Bolsonaro, e logo mostrou suas garras, e ideologia esquerdista entregando a educação do estado a comunistas. 
É conspirador contra o presidente, juntamente com governadores como Dória em São Paulo, dentre outros. Botou a polícia em cima da população diante da crise do coronavírus, com uma truculência sem par.
Como Dória, não se elege nem vereador, e como não podem depor o presidente, conspiram tirá-lo da presidência através de um golpe do STF. 
Não vai dar certo, seria preciso combinar com os russos como diria o saudoso Mané Garrincha, no caso o povão. realmente a direita tem que criar quadros políticos, e não servir de trampolim para bandidos colmo esse. Simplesmente Witzel é hoje o maior bandido do estado. Por essas e outras agora alia-se a esquerda de sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário