Com povo na rua e exército a favor, STF e golpistas arregam - Rafael Brasil




Antes queriam tirar o presidente através de um golpe parlamentar, mas não encontraram brechas. Afinal o,presidente é honesto e queriam botá-lo pra fora, justamente por suas qualidades em não leiloar cargos em troca de propinas, como tem sido a triste tradição do nosso congresso, no que chamam eufemisticamente de presidencialismo de coalisão.
Tentaram usar a crise do coronavírus, juntamente com o STF, tirando os poderes do presidente, colocando todos os poderes nas mãos dos governadores e prefeitos, que pararam o país causando uma tremenda crise de falências e desemprego. Hoje a própria OMS afirma que o confinamento dito horizontal, não funciona, afinal não existe consenso científico nenhum , aliás nunca houve, salvo raras exceções.
Em outras palavras, o presidente estava certo, em propor uma maior flexibilização no confinamento, dado que na grande maioria dos municípios o número de mortes é irrisório, Ademais no país, as estatísticas mais alarmantes caíram por terra. 
No afã de derrubar o presidente com uma baita crise econômica, os governadores levaram a culpa, afinal foram eles os responsáveis pelo descalabro da recessão econômica e consequentemente do desemprego. Em síntese o presidente nunca esteve tão popular, afinal o melhor programa social em tempos de crise foi o de Paulo Guedes, isso, claro, a mídia golpista não mostra.
Como não se depõe um presidente popular, tentaram tirá-lo através do STF, juntamente com a cleptocracia política sob as mais variadas alegações de que ele era despreparado, e tramava contra a saúde pública, pregando o confinamento parcial , aliás como foi feito em países como a Suécia e o Japão, só para ficarmos nestes exemplos.
Até a nomeação do diretor da polícia federal, o STF se meteu, numa ação completamente inconstitucional. Isso depois da estranha demissão de Sérgio Moro, que saiu atirando e sem provas. Tudo estava preparado, bastava o STF afastar o presidente com alegações mais do que estapafúrdias, e o presidente com a anuência do congresso seria afastado por 180 dias. Não colou. Faltou combinar com o povo, e por tabela, as forças armadas que não iria ficar contra o presidente e o povo.
Hoje o ministro Marco Aurélio, outro corrupto, parente de Collor, deu o tom da arregada do STF, afirmando que certas decisões do tribunal nunca deviam ser tomadas monocraticamente.
O presidente bradou a todos que o exército está atento simplesmente ao cumprimento da constituição, este foi o recado, que claro, todos compreenderam. Antes da declaração, o presidente estava reunido com a alta cúpula militar na ativa, corroborando suas afirmações e dando o recado claro aos golpistas.
Agora o presidente nomeou o diretor da polícia federal, homem da própria confiança de Alexandre Ramagem, antes nomeado , Rolando Alexandre. Ramagem fica na ABIN, e Rolando na PF. Agora tem que partir contra a bandidagem não só no congresso, mas no próprio STF. Esperamos que isso aconteça para o bem do país e claro, do povo brasileiro.

Um comentário:

  1. Fachin continua passando por cima desta conclusão do Ministro Marco Aurélio e continua interferindo na economia de um estado, mesmo que seja um pequeno município.

    ResponderExcluir