Caos organizado - TOSTÃO

FOLHA DE SP - 22/09
Ficou obsoleto analisar o time pelo sistema tático. Há vários sistemas em uma mesma partida


Enfim, foi aprovada pelo Senado a proibição de dirigentes esportivos se reelegerem mais de uma vez, além da exigência de transparência nas entidades. Tem de entrar também a CBF. Ela é particular, mas de interesse público. O ótimo trabalho de ex-atletas, como Raí e Ana Moser, e as críticas, durante anos, de vários colunistas e jornalistas esportivos não seriam suficientes para pressionar os políticos, se não fossem as manifestações de rua. Muitas outras coisas precisam mudar.

No meio de semana, vi os melhores jogadores e times da Europa e do Brasil. Nos jogos do Real Madrid, é interessante ver Zidane calado, sentado ao lado do técnico Ancelotti. Parece o Murtosa. Será que Zidane pretende ser treinador, discute com Ancelotti, orienta os jogadores ou apenas quer se distrair e passar o tempo?

O futebol brasileiro evoluiu, recentemente, na maneira de jogar. Ufa! Volantes, meias e laterais não param de correr. Trocam de posições, atuam de uma intermediária à outra.

Ficou obsoleto o futebol compartimentado, em que volante marca, meia arma e centroavante finaliza. O sonho de Marcelo Oliveira é trocar o centroavante fixo, Borges, por Júlio Baptista, como fez na quarta- -feira e em outros jogos. Não dá mais para analisar a maneira de jogar de uma equipe pelos números e pelo sistema tático. São vários sistemas em uma mesma partida. É o caos organizado.

O sistema tático é uma referência, um aviso dos treinadores aos jogadores, de que é necessário ter uma ordem, de que eles não podem ultrapassar certos limites e colocar a ambição individual acima da coletiva. Funciona como um superego, uma entidade crítica e repressora. Serve ainda para se proteger do acaso. Da mesma forma, racionalizamos nossos sentimentos para nos proteger dos desejos proibidos, do espanto e do mistério.

A maioria das equipes joga com um meia de cada lado, que faz dupla com o lateral, na defesa e no ataque. É um avanço. No passado, quase todos os pontas canhotos atuavam pela esquerda, e os destros, pela direita. Agora, é o contrário. Antes, eles driblavam para o lado de fora, para cruzar. Agora, driblam para dentro, para passar e finalizar. No movimento em diagonal para o centro, abrem-se espaços para o lateral avançar pela ponta.

Prevaleceu a lógica, na vitória do Atlético-PR sobre o Flamengo. O melhor atacante do time paranaense, neste e nos outros jogos, não é Ederson, artilheiro do campeonato. É seu companheiro de ataque, Marcelo.

Mano Menezes pediu demissão. Será que estava com medo da segunda divisão? Deve ter se sentido muito maior que o elenco.

Estarei de férias por duas semanas. Vou para Portugal, à procura de Fernando Pessoa. Espero encontrá-lo nos cafés e restaurantes que ele frequentava.

Nenhum comentário:

Postar um comentário