A presidente esquerdista Cristina Kichner, agora está apelando para o congelamento de preços para conter a inflação. É, mas esta gente diz que uma inflaçãozinha sempre faz bem à economia, pois estimula o crescimento. Não eram assim que falavam os críticos do plano real? Não é assim que fala a equipe de Dilma, que está seguindo o caminho de maquiar a inflação através dos mais diversos truques, todos fundamentados numa maior intervenção do estado? Pois bem. A inflação argentina há muito já anda na casa dos 30%, porém, com as maquiagens governamentais, não chega nem a dez. Tal qual os peronistas, a começar pelo próprio Perón, são professores em desestabilizar a economia e o país. Desorganizam a economia, e depois vem a inevitável crise política.

ARGENTINA NO SÉCULO XX

Como é que um país rico, de futuro promissor, decai deste jeito? Com populismo, e suas consequentes crises políticas. No início do século, a economia argentina chegava a 80% da norte-americana, era bem maior do que o Canadá e da Austrália. Tinha dois terços das linhas férreas latino-americanas, e mais de oitenta por cento das matrículas escolares do subcontinente.
Depois da Segunda Guerra, chegou a ter a sexta economia do mundo. Aí veio Perón e o mais malfadado peronismo. Perón, um corrupto histórico, corrompeu os sindicatos, enfrentou a igreja, e estendeu tantos ditos direitos sociais, que a economia não aguentou. A instabilidade política que se sucedeu, levou a Argentina a ter uma das mais cruéis ditaduras militares latino-americanas, com cerca de 30 mil mortos. Mesmo com a redemocratização, o populismo cresceu, tendo o peronismo contemporâneo muitas facções, indo da extrema direita à extrema esquerda. No poder está continuando o legado do mentor o cacareco Perón e também sua dama Evita Perón , de grande sucesso popular, ainda cultuada sobretudo pelo lumpesinato portenho como uma santa. Ou seja, antes de atingir seu apogeu, o país está há mais de sessenta anos em estado de franca decadência.
Antes a economia argentina dava dois Brasis. Hoje já foi ultrapassada pela Colômbia, mesmo cheia de problemas como guerrilhas associadas ao narcotráfico. Em relação ao Brasil, sua economia ficou menor do que a de Minas Gerais.

DINHEIRO NO EXTERIOR

Como por lá ninguém confia no governo, existem muitos bilhões de dólares de argentinos no exterior. Afinal ninguém é bêsta de confiar em governos cada vez mais desmoralizados, e que intervém mais despudoradamente na vida - e sobretudo - no bolso dos cidadãos. O órgão mais sensível do corpo humano asseveram muitos.

ARGENTINA E BRASIL

Mesmo com toda a decadência, a situação social do povo argentino, ainda é bem melhor do que o do Brasil. Buenos Aires é uma cidade culta, com baixos níveis de violência, embora a miséria da população esteja crescendo muito, formando favelas antes desconhecidas pelo povo. Porém a decadência é bastante visível, pois o isolamento internacional do país é um dos fatores que dificultam uma possível retomada de crescimento. A moratória serviu para agravar este estado de coisas. O congelamento vai piorar ainda mais as coisas com o fenômeno do desabastecimento, pois ninguém vai fabricar ou vender algo tendo prejuízo. Por aqui, Dilma vem metendo a mão na economia, controlando preços de estatais como Petrobrás, e mexendo com os já precários marcos regulatórios do setor energético. Ou seja, todas as receitas para dar errado, sobretudo a médio e longo prazos. Quando se pensa que algo vai dar errado, vai mesmo. E quando se quer repetir a burrice, pior ainda. Querem apostar como isso tudo vai dar errado? O tempo dirá, pois ele sempre é o senhor da razão. Ou não?

1 Comentários

  1. NA ÚLTIMA SEXTA-FEIRA, FOMOS CHAMADOS DE PALHAÇOS!!! O SENADOR POR ALAGOAS RENAN CALHEIROS TORNOU-SE PRESIDENTE DO SENADO FEDERAL COM 56 VOTOS SECRETOS!!! NÃO PODEMOS FICAR CALADO E DE MÃOS ATADAS!!! POR ISSO, VAMOS ASSINAR O IMPEACHMENT DE RENAN(SÃO APENAS 1.360.000 MIL ASSINATURAS E JÁ PASSAMOS DE 200 MIL. ASSINE, DIVULGUE, COMPARTILHE!!! http://www.avaaz.org/po/petition/Impeachment_do_Presidente_do_Senado_Renan_Calheiros/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem