LEI DA ANISTIA

Há muito tempo que querem burlar a lei de anistia. Como sabemos a mesma tem mais de trinta anos, e significa o perdão, não  o esquecimento, de atrocidades cometidas reciprocamente durante o regime militar. A lei de anistia é fundamentada filosoficamente em preceitos cristãos sobre o perdão, sem os quais seria impossível a pacificação de conflitos, sobretudo os de natureza política. Para que seja efetivada é necessário que se proponha o perdão recíproco, garantindo a sobrevivência, inclusive dos algozes do ancién regime, ademais quem iria aceitar um pacto, para depois ser perseguido pelas novas forças no poder?
Ainda mais no Brasil, onde as perdas em vidas foi pequena, pelo menos em comparação com as outras ditaduras do continente, surgidas nos tempos sombrios da extinta guerra fria. Já nos países ditos socialistas, nem se fala, pois a eliminação física de oponentes sempre foi a lógica mesma do sistema.
Também podemos salientar que esta questão não mexe com o grosso da população brasileira, dado mesmo o pequeno número de vítimas fatais do regime militar, que a anistia cobriu exemplarmente, pacificando politicamenre o país nos tempos de transição política.
Acontece que muitos esquerdistas, querem porque querem, modificar na prática a lei de anistia. Um absurdo porque simplesmente fora de tempo e lugar. Felizmente um juiz indeferiu um processo contra o famigerado capitão Curió, movido por uns tresloucados esquerdistas do ministério público. Poe que esta gente não faz um movimento contra a tortura nas nossas delegacias e masmorras oficiais? Não ía faltar trabalho.
 Afinal, para essa gente, tortura so é ruim para gente de classe média e esquerdista. Para preto e pobre, pode. Pode? Tortura é um crime hediondo, e sobretudo covarde. Quem a pratica deveria ser enquadrado e preso, conforme os ditames da lei. Por aqui até a presidente andou indignada com as torturas em Guantânamo. Nunca moveu uma sílaba em favor dos nossos presos pobres que são torturados em quase todas as delegacias deste país. Haja hipocrisia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário