MINISTRO LADRÃO



O ministro Antonio Palocci  multiplicou muitas vezes seu patrimônio no período de quatro anos. Ainda mais que, num passado recente quis incriminar um caseiro, que o incriminara justamente de receber propina, numa misteriosa casa de negócios escusos, e bacanais sexuais com prostitutas de rico.  Quebraram o sigilo bancário do caseiro e o escancararam publicamente. Depois ficou provado que o caseiro recebera uma indenização do pai, que não o reconhecera como filho. Antes disseram que o dinheiro, pouco mais de trinta mil contos tinha sido de propina. Mentira.
REINCIDENTE
O ministro é reincidente, pois vive desde há muito tempo enrolado na justiça por processos de fraudes nas licitações quando foi prefeito de Ribeirão Preto.  Só no ano passado, ano eleitoral, ele ganhou cerca de vinte milhões. Antes, sua empresa de consultoria tinha um capital de pouco mais de duzentos mil contos. Como Zé Dirceu, tinha pretensões de chegar à presidência. Agra poderá ser defenestrado definitivamente do governo, mas forças poderosas, incluindo a presidente juntamente com o congresso governista fazem tudo para livrá-lo. Até a oposição, calada, o tem ajudado, justamente porque calada, além de desarticulada por brigas internas. Os grandes adversários do ministro, serão os próprios petistas, os mais radicais, que nunca  o engoliram  por o mesmo representar a moderação do ponto de vista econômico, azeitando , digamos assim, as relações do PT com o empresariado, e claro, os banqueiros.
O MINISTRO E DILMA
Com Dilma, sempre divergiu desde o governo Lula. Dilma era mais heterodoxa, digamos assim, do ponto de vista econômico. Não é por menos que ela perigosamente flerta com a inflação, ressaltando seus supostos aspectos positivos, sobretudo em relação ao crescimento econômico. Com Lula, ganhou a parada. Com Dilma vinha perdendo para o azedo Mantega, que nem sabe mesmo o que está fazendo. Aí é que mora o perigo. É quando esse pessoal quer colocar suas idéias na prática. Antes Meireles tocava o barco. Agora que Deus nos acuda. E que os orixás nos protejam. Em outras palavras, Palocci, mesmo comprovadamente ladrão, e um ladrão desastrado, sempre esteve do lado certo. Aí é que está o problema. Quem ocupará o seu lugar?
CONSULTORIAS
O ministro ladrão anda tentando se explicar. Cada vez se enrola mais. Não quer mostrar seus fregueses, e se os mesmos tem contratos com El gobierno. Se não quer mostrar, sujeira tem. E a cada dia vem se enrolando mais. Pensando bem, como é bom ser ministro. Fica-se rico imediatamente sem fazer esforço,  ou quase. Tudo no mais típico patrimonialismo brasileiro. Que está cada vez mais vivo nesta malfadada “república petista”. Alô Raymundo Faoro. Alô Sérgio Buarque de Hollanda? Como vocês ainda estão vivos! Só que não esperavam acontecer isso no PT, o qual ajudaram a fundar, como ademais muita gente BA.
ABAIXO A DITADURA
Abaixo a ditadura do politicamente correto. Ma chamam de “homofóbico” por não concordar com o casamento gay, sobretudo na questão das adoções. Não posso ter opinião? Não posso discordar? Aonde está o direito à palavra, pedra basilar da democracia? Ninguém mais pode criticar os homossexuais?  Ademais, o casamento e as relações heterosexuais nunca foram criticados? A família? Pelo que eu sei, ninguém nunca quis botar alguém na cadeia pelas críticas. Marta Suplicy queria propor que as igrejas que discordassem do casamento gay, deveriam fazer as críticas...de portas fechadas. Que democracia é esta? E o estado, que nem cuida da segurança das pessoas vai agora se meter nestas questões? Quantas pessoas seriam presas, e quantas procurariam os tribunais, já abarrotados de processos? E se o casamento hetero está desde há muito em crise, vão incluir o casamento homo? Que quer reproduzir o casamento tradicional? Precisaria uma verdadeira revolução cultural para o povo achar estas coisas normais, assim dizia o velho Mário Vargas Llosa. Que tal uma pesquisa? E o congresso não vai legislar? Eu particularmente não gostaria de ser filho de dois homens. Ou mesmo duas mulheres. E vocês leitores e leitoras?   

Um comentário: