Hoje estava refletindo sobre a minha profissão e me surgiram algumas constatações intrigantes. Veio-me a ideia de que muitos alunos apenas estão a frequentar a escola de forma maquiada, camuflada, estatística, sem nenhum significado além da presença física. Percebi que um grande número de alunos está ali justamente porque os pais, no caso em que estes existam, não os querem em casa. É como se a escola tivesse virado uma espécie de refúgio para pequenos marginais. Por algumas horas por dia, a família parece ter sossego. Estou já há uns seis anos trabalhando em educação e aprendi algumas coisas:

-A escola é supervalorizada. Precisamos realmente de tantos anos na escola? Todos precisam estudar (mal) sobre História, Biologia, Geografia, Matemática, esquecendo isso logo depois?
As vezes, penso que a maioria das pessoas deveria aprender as operações básicas da aritmética, a tabuada, a ler e a escrever, já seria mais que o suficiente, já que há um currículo absurdo nas escolas, a maioria dos alunos passa 15 anos nela, e sai tão analfabeto quanto entrou. Mesmo a Universidade é supervalorizada, quando pauta a educação por números, não por qualidade;
- Muitos alunos que têm capacidade, no entanto não querem aprender. E não há nada, absolutamente nada que você possa fazer para ensinar um aluno que não quer estudar;
-A escola está engessada, serve como válvula de escape para os pais se livrarem daqueles filhos sobre os quais não possuem mais respeito ou domínio disciplinar;
-A burocracia quase soviética das escolas emperra o trabalho;
- Os alunos, suas famílias e a escola estão mais interessados em diplomas e certificados, relegando a aprendizagem;
-Hoje, perdeu-se toda noção de autoridade do professor;
-A pedagogia utilizada no Brasil, esse construtivismo, é uma fábrica de imbecis;
- A culpa não é só do aluno, mas também dos pais, do governo e dos professores em grande número, despreparados e desmotivados. Também os pais perderam o respeito pelos professores ao mesmo tempo em que não conseguem ter autoridade sobre os próprios filhos;
-Eu não digo que tenho a solução para os problemas da educação no Brasil, mas começaria por algumas coisas: trazer de volta a autoridade do professor, com punições severas em caso de desrespeito; pagar aos professores através do mérito, por metas atingidas, cobrando resultados;
-O fato é que esse negócio de escolarização muitas vezes só serve para fins estatísticos, para o governo poder dizer que existem 99% de alfabetizados, uma crassa mentira;
-Temos milhões de analfabetos com diploma! Afinal no Brasil, o que conta mesmo é o diploma, jamais a educação. Estudar para adquirir conhecimento? Ora, isso é coisa do passado e de tolos;
-Com essa educação nesses moldes, nem suprir a falta de mão de obra se está conseguindo; faltam até pessoas qualificadas para apertar parafusos nas fábricas;
-Educação no Brasil é aprovação e estatísticas elevadas, nunca aprendizagem.
Nós, professores, somos cobrados pela quantidade de aprovação, mesmo que os alunos não consigam o mínimo aprendizado.

São lições duras, mas realistas e vistas diariamente no meu ambiente de trabalho.
Há uma solução?

Hadriel

1 Comentários

  1. EU ACHO QUE A SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO DE CAETÉS ESCREVEU A FRASE QUE ESTÁ NO QUADRO. POIS A MESMA AGORA BOTOU NA CABEÇA QUE TODO MUNDO TEM QUE SER APROVADO NO MUNICÍPIO, PARA FICAR BONITINHO NO CENSO E NO IDEB. PAREM DE QUERER MAQUIAR OS NÚMEROS, OS PROFESSORAS NÃO TEM MATERIAL, A MERENDA FAZ VERGONHA( QUANDO TEM), AINDA FICA EXIGINDO QUALIDADE NA "EDUCASSÃO" kkkkkkkkkkk SOU ALUNO E PRESENCIO TODA ESSA VERGONHA!! OU SERÁ QUE MINTO?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem