FHC, O ESTADISTA QUE FOI PROMOVIDO A POVO




O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso concede uma notável entrevista a Mario Sabino na VEJA desta semana. É o retrato da civilidade política, do equilíbrio e do bom senso. No poder, dizia-se que a sua característica mais evidente era tornar menores as crises e os problemas, em vez de extremá-los. Não mudou. Nem mesmo as evidentes injustiças de que é alvo o tiram do prumo ou mudam o seu humor. A tudo vê com certo estoicismo civilizador.

*

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de 79 anos, é um homem realizado. Na Presidência, derrotou a inflação, por meio do Plano Real, lançado quando era ministro da Fazenda de Itamar Franco, e promoveu privatizações bem-sucedidas, que desoneraram os contribuintes, possibilitaram o surgimento de empresas fortes e globais, como a Vale, e universalizaram o sistema de telefonia. Fora da Presidência, ele assumiu, dentro dos limites brasileiros, o papel de um ex que chama os políticos às falas quando a democracia está em perigo. Na semana passada, na sede do instituto que leva seu nome, ele deu a seguinte entrevista a VEJA:



O que o senhor sentiu no exato instante em que deixou de ser presidente da República, ao passar a faixa para Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003?

Fiquei emocionado, é claro, até porque o Lula disse que eu deixava lá, no Palácio do Planalto, um amigo - o que, naquele momen¬to, talvez fosse verdadeiro. Mas a minha emoção também se deveu ao fato de eu sentir que vivia um momento histórico que ultrapassava em magnitude outras passagens da faixa presidencial.



Por quê?

Porque, durante os meus mandatos, com o consenso da sociedade, havíamos conseguido mudar o Brasil para melhor. Eu entregava a Lula um país que, a despeito de todas as crises econômicas mundiais que marcaram aqueles anos, estava mais sólido do ponto de vista da economia. Com o Plano Real, iniciado no governo de Itamar Franco, e a autonomia do Banco Cen¬tral, vencemos a inflação. Com a implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal, detivemos um dos sangradouros de dinheiro público. Com as privatizações, alcançamos a universalização do sistema de telefonia. Além disso, havíamos superado os traumas políticos causados pelo regime militar, as arestas da redemocratização e o impeachment de Fernando Collor de Mello. Tudo isso me à cabeça no momento em que passei a Presidência a Lula.



E para além da emoção, digamos, institucional?

Depois da cerimônia, rumamos, eu e Ruth, para o aeroporto, onde muita gente amiga nos esperava para a despedida. Foi aí que a emoção mais pessoal começou. Abracei assessores que haviam trabalhado comigo durante oito anos seguidos, que faziam parte do meu cotidiano. Embarcamos, então, para São Paulo, ainda no avião presidencial. Ao chegar, troquei de roupa e seguimos para o avião comercial que nos levaria a Paris. Nesse momento, relaxei, tive uma sensação boa de dever cumprido - tanto no plano institucional como no individual. Quando chegamos a Paris, voltei um pouco a ser presidente, porque nos esperavam o então embaixador na capital francesa, o Marcos Azambuja, e o da Unesco, o José Israel Vargas, ambos meus amigos. Não havia séquito, mas, ainda assim, desembarcamos no terminal oficial, entramos num carro, escoltados por policiais franceses. Ao chegar ao hotel perto da cidade de Chartres, onde permanecemos por alguns dias antes de ficar em Paris, eu chamei o chefe da guarda francesa, agradeci a atenção, mas disse que dispensava aqueles cuidados. Ele me respondeu que estava cumprindo ordens e, portanto, seus homens tinham de fazer a segurança.



E o que o senhor fez diante dessa resposta?

Eu renovei meu agradecimento e enfatizei que não queria ninguém perto de mim nem de minha mulher. Eles foram embora. Dormi, então, a minha primeira noite de mortal comum. No dia seguinte, eu e Ruth fomos a Chartres sozinhos, para visitar a esplêndida catedral gótica - um passeio maravilhoso em todos os aspectos, mas principalmente pelo fato de não estarmos mais acompanhados de comitiva, seguranças e repórteres. Recuperei, enfim, minha privacidade. Em Paris, também dispensei os serviços que a embaixada queria me prestar e voltamos a andar de metrô, como sempre fizemos. Uma delícia - e com um efeito muito didático. Porque uma coisa é o Planalto; outra é a planície. Na planície, você é promovido a povo.



Não houve nenhum momento de angústia por causa da perda do poder?

Não, de verdade. Evidentemente, isso deve variar de pessoa para pessoa. O fato é que me considero, digamos assim, um homem pluridimensional. Além de ser político, tenho uma vida intelectual, uma vida interior, que pude retomar com o fim da minha Presidência. Entrei nela imediatamente, começando a escrever o livro A Arte da Política, que seria lançado em 2006. Ainda na França, passei a ver meus amigos que lá moram. Uma única vez fui ao Palácio do Eliseu, para uma refeição com Jacques Chirac, então presidente. Ele me recebeu com honras de estado, verdadeiro cavalheiro que é, e depois me ligou duas vezes. Deixou mensagens na secretária eletrônica: “Alio, Fernando, ici c’est Jacques”. Mas resolvi viver de fato o meu dia a dia de turista, na planície, como disse.

(…)

Aos olhos de muitos brasileiros, o senhor e o presidente Lula parecem nutrir uma rivalidade que ultrapassa o campo político e adentra o das personalidades. Algo semelhante à dos personagens daquele conto do escritor inglês Joseph Conrad, Os Duelistas, que se batiam em armas sempre que se encontravam, sem razão objetiva para tanto. É uma percepção cor-reta?

Da minha parte, garanto que não. Da do Lula, parece existir tal rivalidade. Não sei por que ele insiste tanto em comparar-se a mim. Nessa última campanha, por exemplo, falaram o diabo do meu governo, embora eu não fosse candidato. E eu não tenho direito de defesa, veja só! O Lula não precisava de nada disso. Para mostrar o que fez, ele não tem necessidade de tentar desfazer as conquistas do outro. Até porque ele deu continuidade a políticas do meu governo e acrescentou aspectos positivos a elas. O Lula, por exemplo, manejou bem o timão durante a última crise econômica, mas não foi ele quem estabilizou o país. Ele também não criou os programas sociais, mas os expandiu. Fez a sua parte? Fez. Então, por que tentar cancelar o passado e dizer que o Brasil nasceu no seu governo? O Lula não necessita disso como político. O que me leva a pensar que, de fato, ele tem um problema de ordem psicológica em relação a mim. Quando o Lula solta a frase “nunca antes neste país”, eu até brinco que ele poderia dizer que “nunca antes neste país viveram tantos brasileiros”.

(…)

E como a história o julgará?

A história é uma contínua reinterpretação — e será assim tanto em relação a mim como em relação ao Lula. Mas isso não me abala. Ora vão me exaltar, ora me esculhambar, dependendo da visão ideológica que se tenha no momento. Não é assim em relação até mesmo a grandes nomes como Napoleão e Bismarck? Por que não seria comigo? Esse é o ônus dos políticos que fizeram algo de relevante, deixaram uma marca pública e não permitiram que sua vida passasse em branco. É o meu caso - e também o do Lula.

2 Comentários

  1. Sim, grande estadista. Não há pq ser absolvido. A história apenas o está pondo no lugar que sempre mereceu: na lista dos grandes políticos e decentes. Ao contrário de outros galos roucos de palanques que saem dessa eleição menores do que um playmobil, não é barbudo?

    ResponderExcluir
  2. Hadriel(teus comentários são igual a pastel,pegajoso,oleoso e cheios de vento).
    Achar que lula saiu dessa eleição menor que um playmobil é no mínimo inusitado.Defender FHc é interessante e faz parte da democracia,afinal ele governou nosso país por dois mandatos,tem seu legado,que é pouco diga-se de passagem.
    Agora tentar diminuir ou excluir o presidente LULA do cenário político nacional é burrice ou ignorância.Como podes ignorar um presidente que detém mais de 80% de aprovação(acho que pensas ser sinal de sapiência se tornar parte dos 3% que não gosta de LULA)um presidente que fez com que mais de 25milhões de brasileiros fizessem parte da classe média,tirou da pobreza extrema mais de 20milhões de brasileiros esquecidos no período de governo tucano,fez do Brasil um país credor em vez de devedor do FMI,ultrapassou a casa de 15milhões de emprego com carteira assinada,fez o nordeste crescer como disse DILMA: à taxas chinesas.
    Então Hadriel,pense e reflita antes de externar esse ódio e ojeriza em relação à LULA.
    einstein,recife/PE

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem