O debate realizado pela rede bendeirantes foi morno, e terminei dormindo. Deveria mesmo seguir os conselhos de minha fillha Miriam, e ficar vendo os desenhos do discovery kids. Mas mesmo assim du para ver sa fraqueza de Dilma, a cara lisa de Plínio de Arruda Sampaio, a santidade de Marina Silva, e do tucano Serra, o melhor candidato, mas frio no debate, em suma, ruim de política. Se fosse um Brizola, teria desmascarado Dilma logo de entrada, indagando se seria ela ou Lula quem iria governar, caso chegasse à presidência. Ou mesmo, por que ela empregou no governo uma integrante das FARCs? E por que ela critica o governo Fernando Henrique aqui no Brasil, e o elogia lá fora? O próprio Lula, o mentor mor do poste Dilma, já andou elogiando o PROER e ninguém fala do assunto. É preciso politizar mais o debate, porém o mesmo deixou claro as imensas fragilidades de Dilma, que podem e devem ser exploradas. Como uma pessoa como ela, com sua obscura carreira, pode ser presidente? Seria um governo mais desastrado do que este governo, sem a habilidade política do mesmo, apesar da fraqueza da oposição. Mas vamos ver. A campanha está muito fria, e pedir votos para deputado está difícil. O povão está frio e desconfiado, nesta eleição mais dura desde a redemocratização, e fundamentral para o futuro do país, neste primeiro quarto de século.

TIA MÁRCIA

Continuo publicando as crônicas de tia Márcia. Gostei muito da nota a respeito, do amigo Roberto Almeida, que entende do assunto. Mais uma vez, muito obrigado, Roberto.

SIVALDO

Também recebi uma carinhosa nota do meu candidato a estadual Sivaldo Albino. Também aliado de Silvino e Aurora que são pessoas que prezo nesta Garanhuns que também aprendi a gostar. É preciso ter muito cuidado com os aventureiros da política, sobretudo àqueles que procuram comprar votos, nas camadas sociais que Marx chamaria de lumpen, os miseráveis, sem eira nem beira. Logo em Garanhuns, cidade tradicionalmente de votos de opinião. O aparecimento de aventureiros, sobretudo revela o vácuo na política local. Ou esta se renova, ou regride, dando margem aos piores representantes do conservadorismo e do atraso das oligarquias familiares, que, desde há muito, Garanhuns está livre. A grande jogada da política é unir as forças do progresso em torno de objetivos claros e palpáveis. Empresários, estudantes, professores, setores representativos das classes médias e populares, enfim. As elites políticas e intelectuais integrados a ética política e aos interesses comuns a todos os cidadãos. Afinal, política é a arte de juntar. Ou não ?

2 Comentários

  1. Ainda não entendi o que o Plínio quer dizer com ''Divisão brutal da renda''. Seria uma revolução contra os fazendeiros? Há ainda espaço para esse tipo de política?

    ResponderExcluir
  2. Já vi o Serra mais incisivo na campanha de 2002. Parece apático, insosso. Tinha de entrar sem dó na adversária, deixar sem resposta ou fazer gaguejar. Parece que desaprendeu. Quanto à Dilma, parece que ela julga que os eleitores assistem a debates com calculadoras, pra assimilar tantos algarismos retóricos que ela solta. É uma chatice ouvi-la.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem