Esquerda e terrorismo - Rafael Brasil

 


A esquerda sempre defendeu terrorismo. Lênin era contra o terrorismo individual, tão característico do final do século XIX e do início do séc. XX, simplesmente por ser contra producente do ponto de vista revolucionmário, ou seja, apenas por uma questão de tática e estratégia política. Seu irmão fora condenado à morte por tramar um atentado ao Tzar Alexandre III, e a primeira guerra teve seu estopim quando do atentado ao Arquiduque Francisco Ferdinand, herdeiro do Império Austro Húngaro, por um grupo terrrorista Sérvio.

O terrorismo antigo visava atingir personalidades proeminentes da política, bem diferente do terrorismo moderno que visa atingir o maior número de pessoas e atingir grandes impactos midiáticos. Ou seja, a crueldade e covardia são características próprias da mentalidade terrorista, fruto de uma mentalidade psicopática tão fundamental na mentalidade esquerdista, afinal os comunistas sempre o utilizaram e de uma forma piorada: O terrorismo de estado.

Ao tomar o poder no golpe que antecederia a revolução russa que se consolidaria no processo sangrento da guerra civil que trminaria em 1921, os bolcheviques deram prosseguimento ao terrorismo de estado, com a dupla Lênin e Trotski. Deram prosseguimento porque se baseavam no terrorismo dos radicais da revolução francesa, com Robespierre no comando. 

Nos panfletos e escritos bolcheviques, Trotski e Lênin, dentre outros, pregavam, abertamente o terrorismo de estado contra os opositores, tachados de inimigos de classe. Em seis semanas Lênin instituíra os fundamentos do estadop totalitário. Não só opositores do regime eram torturados e mortos, mas os opositores da própria esquerda, como os social democratas e anarquistas foramn alvo do terrorismo comunista. Stálin terminou o serviço matando toda a oposição comunista, e praticando um genicídio nunca antes visto na história, eliminando cerca de 30 milhões de pessoas na ex União Soviética, só sendo superado por Mao Tspé Tung com a marca de 70 milhões. 

Quando o ministro Barroso fez a defesa de Cesari Battisti, um terrorista italiano que sempre foi pararicado pela esquerda nativa, teve como pretexto de que ele estaria eliminando os inimigos do proletariado, ou seja, justificando as terríveis ações do terrorista com argumentos muito familiares à esquerda. Fez uma defesa que não faria inveja a nenhum comunista de carteirinha, e perante o STF que o absolveu, uma vergonha.

Agora, com a maior cara de pau, Lula vem pedir desculpas ao povo italiano por ter dado todo apoio ao terrorista, é muito cinismo. Aliás, o cinismo é uma das marcas e um mantra revolucionário, afinal eles não clamam que Cuba e a Venezuela são democracias?

Enfim é com gente desse tipo que  através do ativismo judicial vem dominando o país, claro com a toda a complacência da esquerda que sempre apoiou terrorismo. E é este mesmo ministro que quer falsear à realidade forçando a abertura de uma CPI para apurar as hipotéticas falhas do governo no combate ao vírus chinês, quando todos sabemos que a corrupção campeou justamente com o os governadores e prefeitos que receberam centenas de bilhões do governo federal para o combate à peste. E que o próprio STF tirou os poderes do presidente em corrdenar às ações na saúde.

Ne verdade, até as pedras sabem que estão querendo é dar um golpe de estado tirando o presidente do cargo, jusatamente o presidente mais honesto desde a implantação da chamada nova república. Mas mentir é um mantra esquerdista , assim como o terrrorismo o qual é apioado pela esquerda e por ministros que não deviam nem ser advogados de cadeia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário