Perseguição aos homossexuais no comunismo cubano - Rafael Brasil

Resultado de imagem para perseguição aos homossexiais em cuba



Na época da revolução cubana, em 1959, a população da ilha somava pouco mais de 6 milhões de habitantes. 
Nos anos 60, a ditadura comunista, fuzilou entre 7 e 10 mil pessoas. Che Guevara, tinha prazer em fuzilar, até crianças, consideradas contra revolucionárias. Avalia-se em 30 mil o número de presos políticos. 
Em 1965, os campos de concentração abrigavam religiosos, proxenetas, homossexuais, protestantes, testemunhas de Jeová, e quaisquer indivíduos considerados "potencialmente perigosos para a sociedade". Os presos eram submetidos a todos os tipos de maus tratos e torturas. 
Uma das funções da repressão, foi a " reeducação" de homossexuais. Antes de sua criação, muitos deles tinham perdido empregos, principalmente na área cultural; a Universidade de Havana foi alvo de depurações anti-homossexuais, e era comum "julgá-los" em público, no próprio local de trabalho. 
Eram forçados a reconhecer seus "vícios", a renunciar aos mesmos ou serem despedidos, antes de serem presos. Os familiares dos detidos pagavam pelos "crimes" dos parentes, assim como em toda ditadura comunista. Os filhos não tinham acesso às universidades, e os cônjuges perdiam os empregos. 
Dezenas de presos políticos eram mortos de fome, e postos pra trabalhar no corte de cana e as cadeias eram imundas e insalubres. Tinha também prisões para menores de idade, para crianças até de dez anos. 
As torturas eram cruéis, e num clima tropical, o calor insuportável. Os detentos constituíam uma importante força de trabalho, assim como o modelo soviético. 
Atualmente, cerca de 20% da população cubana vive no exílio, numa população global de 11 milhões de habitantes, perto de 2 milhões vivem fora da ilha. 
O exílio desarticulou centenas de milhares de famílias, sem se ver há 60 anos. Hoje a maior fonte de renda da ditadura cubana é o dinheiro mandado pelos exilados, e o governo ainda taxa, ou seja, fica com uma parte. 
Cuba hoje é uma favela, ou melhor, uma grande prisão, a comando dos nababos do partido comunista. Isso nem os comunistas brasileiros contam nem tampouco seu professorzinho de história. Até quando?

Nenhum comentário:

Postar um comentário