Em 1939, Churchill já sabia das semelhanças entre nazismo e comunismo


Em 1939, Churchill já sabia das semelhanças entre nazismo e comunismo


O artigo “Os gêmeos terríveis“, escrito por Winston Churchill em 1939 e traduzido de forma inédita aqui no Brasil por nosso site, é um documento histórico que tem uma relevância muito maior agora que ganhou corpo em nosso país o debate sobre os matizes ideológicos do movimento nazista.
Publicado pela revista mensal norte-americana Collier’s, ele foi enviado por Churchill algumas horas antes de ser oficialmente deflagrada o que seria chamada depois de II Guerra Mundial. O então chefe da Marinha britânica mostrava como enfrentou resistências dentro de seu partido por ter sido, desde o princípio, contrário a tudo o que representavam os nazistas. Churchill explica como o mundo de então por algumas vezes via neles uma força opositora aos comunistas, enquanto os esquerdistas do mundo acreditavam que sua potência-mãe pararia os alemães.
O artigo foi escrito sob o grande impacto da união entre Stálin e Hitler celebrada dias antes. Churchill explica como eram muito circunstanciais as desavenças entre os regimes pois eles tinham certamente muito mais pontos em comum do que discordâncias. Se havia uma desavença real entre eles essa se manifestava apenas pelo fato de ambos acreditarem que somente eles poderiam reformar e dominar definitivamente a humanidade.  Mais importante, Churchill fazia o juízo correto especialmente por não guiar sua visão do que acontecia sob prismas restritos como os da ideologia política (esquerda vs direita)  ou da economia (liberal e capitalista ou estatista). Para ele, o que deixava claro o aspecto nefasto do comunismo e do nazismo podia ser percebido por qualquer cidadão normal e de bem.
Nas partes mais significativas do artigo, Churchill lembra como nazistas e socialistas atentavam contra os padrões morais da sociedade, tão duramente construídos e erguidos por muitos anos de experiência, erros e aprendizados. O nazismo e o comunismo atentavam sim contra as instituições novas e importantes como eleições livres e liberdade de imprensa, mas mais grave ainda era o ataque aos pilares mais antigos e duradouros da sociedade ocidental, como os ensinamentos dos 10 mandamentos. Sem falar isso, fica claro que para Churchill, ainda que algum desses dois caminhos tão semelhantes prevalecesse e a sociedade evoluísse materialmente, ela estaria se distanciando de um sentido mais elevado para a sua existência.
Mas Churchill errou em alguns prognósticos. Ele acreditava que o Japão, após a união comuno-nazista, tentaria se aproximar dos EUA e da Grã-Bretanha. Também esperava que Mussolini se afastasse de Hitler. Para azar dele e do mundo, houve o contrário. Mas também para sorte do mundo, Stálin não investiu firmemente nos planos de Hitler, preferindo acompanhar a escalada da guerra para tomar posição apenas quando estivesse mais fácil decidir qual lado, mais fragilizado, atacar. Numa época de insanidade social e científica, não dava mesmo para contar com respostas elementares.
Tanto tempo depois, as loucuras do mundo não parecem ter a mesma força de 1939 ao menos em um aspecto: não há forças centrais estabelecidas com os intuitos mais nefastos no comando de uma das grandes potências. As ameaças de ainda mais decadência para a comunidade global hoje são sem dúvida graves, e têm no extremismo islâmico sua maior expressão, mas não chegam perto do que representava o gigantismo russo e o poderio militar nazista. Por outro lado, por um relaxamento trazido pela ilusão da paz duradoura e de avanços tecnológicos, o mundo hoje não tem nos chefes de estado ou em seus conselheiros mais próximos homens com grandeza de caráter e espírito como Churchill, que praticamente sozinho (em 1939) conseguia olhar para os aspectos mais relevantes das alianças políticas que se realizavam e para onde elas levariam o mundo. Churchill foi um gigante  que se ergueu contra uma época de loucura, enquanto hoje os chefes de estado se dobram para promover movimentos segregacionistas e revolucionários que podem nos levar a uma crise que não vivenciamos desde a década de 1940.
Leia:

Os gêmeos terríveis, por Winston Churchill

Os gêmeos terríveis, por Winston Churchill

Setembro de 1939, revista COLLIER'S. Leiam uma introdução neste post.
Churchill, novamente Lorde da Marinha no Gabinete de Guerra Britânico, enviou este artigo para a revista Collier poucas horas antes do início da Guerra. Desconfiado desde o início da política de apaziguamento, ele não perdeu a chance de alertar o mundo do desastre que se avizinha. Aqui estão suas opiniões, dadas com eloquência, sobre o pacto entre Hitler e Stálin
O senhor Chamberlain descreveu o anúncio do pacto Nazista-Soviético como bombástico. Foi certamente um evento marcante e que lançou raios sinistros mas reveladores em muitas direções. Foi com grande dificuldade e pressionado pelo perigo que o partido Conservador na Inglaterra chegou a tolerar a idéia de negociar ou mesmo se aliar com a besta fera do bolchevismo mas, quando afinal o governo britânico acreditou que seria uma opção inteligente tentar levar a Rússia a uma frente de não-agressão, os elementos dominantes na Inglaterra obedientemente engoliram a dose.
O “comportamento” russo, pra usar uma palavra neutra, não era bombástico para as forças conservadoras na Inglaterra ou na França. Pela primeira vez em muitos anos eles podiam gritar, alegremente, “Eu avisei!… “O que vocês esperavam”, perguntavam exultantes, “quando tentaram persuadir um crocodilo, que não fosse uma mordida destruidora?”
Mas novamente, algumas vozes da direita no Reino Unido, França e nos EUA – já que essas reações afetam todos os países – ficaram genuinamente desapontados pois o querido Herr Hitler havia traído a causa anti-Comunista ou anti-Bolchevique. Leitores de meus artigos na Collier se lembrarão que sempre apontei as muitas semelhanças entre o Bolchevismo e o Nazismo. Comparei ambos aos pólos Norte e Sul: se você acordar em uma manhã em qualquer um deles, não saberia em qual está. Podem haver alguns poucos ursos polares em um e pinguins no outro, só que eles só apareceriam gradualmente el, quanto ao resto,  haveria neve, gelo e as terríveis rajadas de vento.
Mas esses dois credos de ódio, as duas formas de tirania, ambas idiotologias marcham juntas na destruição dos direitos das pessoas comuns e exaltando um ídolo que, guardado por sacerdotes armados com metralhadoras, decide a concepção do estado. Ambos estão prontos para destruir toda a história e tradição que repousa sob a marcha da humanidade.
Ambos ansiavam repudiar a revelação cristão, ambos exaltaram a corrosão dos padrões da sociedade. Ainda assim eles eram inimigos entre si; Se apresentavam como os dois supremos antagonistas sob os quais todas as pessoas razoáveis e decentes no mundo deveriam se organizar.
Há quão pouco tempo temos ouvido que o futuro seria uma luta entre o comunismo e nazismo! Cada um, estávamos seguros, teria que se decidir se ele ou ela – porque mulheres têm algo a ver com isso – apoiariam a revolução de Karl Marx ou a reconstrução da sociedade por Adolf Hitler.
Agora esses lados opostos estão se abraçando. Reconheceram a grande lista de afinidades perdidas; a suástica com a foice e o martelo caminham lado a lado. A União Soviética se juntou ao Pacto Anticomintern. A Alemanha nazista mimou os comunistas.
Quanto maior a visão que temos desse surpreendente evento, mais devemos avaliá-lo como extremamente vantajoso para a humanidade. Ele conseguiu, com um simples chacoalhão, despir o comunismo russo e o anti-comunismo nazista de suas credenciais, de seus meios de apelo à mente e espírito humanos. Em lugar de duas poderosas e, para certos tipos de pensamento, cativantes filosofias (se é que podemos usar esta palavra) nós tivemos dois conjuntos de gângues rivais juntando forças em uma empreitada, agrupando sua sorte e tentando disparar com tudo que conseguirem pilhar como os G-Men(1) da civilização.
Eu nunca considerei o movimento nazista, com Thor, Odin and Wodin incluídos, como algo além de exploração, sob a agonia da derrota, feita por um pequeno grupo de homens maus. Entre a dócil população alemã, a idéia de ficar contra os horrores da revolução comunista ganhou uma abrangente e sincera aceitação. Os pastores podem se desviar mas o rebanho fica perplexo e perturbado. Eles levantaram suas cabeças e gritaram na noite fria.
Mas o conceito comunista russo representava uma escola de pensamento muito mais profundamente enraizada . Milhões de homens espalhados por muitos países têm a doutrina do comunismo como seus princípios para a vida. Ainda que sejam almas pervertidas, distorcidas, doentias e diminutas, ao menos eles têm uma motivação. Grandes forças em todas as nações se levantam contra a desigualdade de riquezas materiais e as velhas regras de respeito pela propriedade privada pelas quais, por milhares de anos, a raça humana tem, lentamente e aos tropeços, se afastado do barbarismo.

Duas estradas para o mesmo destino

Outros elementos duros e auto-afirmativos declararam que apenas pelo Socialismo Nacional ou Nazismo se poderia atingir esta meta. Essa deveria ser então a batalha da nova geração. Agora eles estão todos misturados em uma névoa de desesperança e excitação, e esse é o momento em que aqueles que se apegaram firmemente aos princípios da democracia livre, dos governos representativos e parlamentar; que sustentam os direitos do indivíduo contra o estado; que respeitam a continuidade da história e valorizam a variedade e originalidade na evolução humana; que lutam por uma família honrada e fiel, pelas relações sociais, pela boa fé e moral tanto na vida privada quanto pública, são deixados em posse exclusiva do campo intelectual
Agora sabemos que para seus líderes o comunismo é apenas um truque pelo qual grandes massas de pessoas pobres são reduzidos a uma forma de servidão, e que o nazismo é o reverso do mesmo truque pelo qual outro grande número pode ser reduzido à mesma condição melancólica. Os dez mandamentos ficam de fora. Os princípios dos direitos individuais contra a autoridade arbitrária ficam de fora, os processos de coleta dos desejos e opiniões dos cidadãos comuns e trabalhadores através de eleições livres, liberdade de expressão e instituições parlamentares; fica de fora toda a mensagem do povo que fala inglês pelo mundo. Essas falsas filosofias têm se difamado e atacado em uma fusão ridícula: Stálin-Hitler, Hitler-Stálin, às avessas e de cabeça para baixo.
É demais para os aspectos ideológicos esta meia-volta. Será um alívio para as nações livres ver seus antagonistas, campeões de formas opostas de tirania, assim neutralizadas, expostas e privadas de todas as credenciais nos domínios teóricos.
Mas as consequências na esfera da ação também precisam de muita atenção. Os governos francês e britânico estavam prontos para se aliarem com a União Soviética para conter a violência da Alemanha nazista. Estavam prontos porque cada um deve enfrentar os perigos e dificuldades da vida com um espírito prático.
Tenho sido questionado muitas vezes sobre quem é pior, o comunismo ou o nazismo. Respondo que qualquer um que esteja próximo de dominar qualquer país a qualquer momento. Ainda que os russos vistam uma máscara comunista, um grande número deles é composto por pessoas boas, decentes, carregando uma carga pesada e ansiosos por fazerem o melhor que podem para si mesmos, suas famílias, seus vizinhos e seu país. Todos devem ser muito cuidadosos na distinção entre a imagem apresentada pela panelinha dominante em qualquer país e as pessoas de boa índole, generosas, pobres e confusos seres humanos que ficam desamparados sob controle deles.
A massa de pessoas oprimidas pelo trabalho pesado e absorvidas pelos prazeres limitados e servidão da vida diária têm quase o mesmo sentimento em relação a políticos em todos os lugares, mas se não forem educados por um bom tempo sobre os firmes princípios da liberdade, lei e justiça, e ensinados a trabalhar por esses objetivos, são então presas fáceis para diversos tipos de obsessões monstruosas e desumanas. Também entre essas massas surgem o amor ao país, o orgulho da raça, a esperança por dias melhores e, quando tudo foi dito e feito, essa força nacionalista e de interesse nacional se torna mais forte, mais persistente, mais profunda e mais enraizada que qualquer uniforme ideológico que o governo tenha ordenado os cidadãos a vestir.
Pode durar muito tempo a controversa questão sobre a possibilidade de um acordo entre as democracias ocidentais e o sistema russo-stalinista. Muitos pensam que se no início, logo após a captura de Praga ou, melhor ainda, antes, os governos francês e britânico tivessem se dirigido aos soviéticos com espírito cordial, o grande peso da Rússia como contrapeso poderia ter sido direcionado contra os nazistas.
Nenhuma pessoa bem informada poderia esperar que os exércitos russos lutassem a batalha da civilização ocidental. Lá existiam grandes exércitos contados em milhões. Eles aparentavam se erguer como um fator nos assuntos europeus. Comunistas em todos os países e em todos os partidos da esquerda e centro-esquerda viam essas massas russas armadas como um meio de intimidar Hitler, e todos esperavam que ele seriam um meio de prevenir a guerra, mas os especialistas militares sempre tinham dúvidas se no caso de uma guerra, essa pesada massa russa poderia se mover.

A Polônia não queria os russos

Havia um entendimenro generalizado de que eles (os russos) não conseguiriam se mover muito além de seu país. Eles tinham que defender suas fronteiras. Eles certamente seriam formidáveis nos recuos de sua vasta terra, mas nenhum especialista francês ou britânico imaginou que eles agiriam ofensivamente contra as tropas regulares alemãs. Todos os seus melhores generais haviam sido assassinados. Tukatchevsky(2), o hábil marechal, foi assassinado por Stálin tentando fazer dois anos antes o que Stálin fez agora. Seu corpo descansa ardendo no túmulo mas sua alma marcha agora no coração de seu executor.
Os poloneses, que estavam tão próximos dos russos quanto dos alemães e estavam vital e mortalmente interessados na conclusão, eram os mais determinados em não permitir tropas russas em seu território. Qualquer coisa, pensavam eles, seria melhor que isso. Se foi uma decisão sábia, não sabemos. Foi o ponto exato em que as conversas militares cessaram. Os generais russos conversando com as missões militar, naval e aérea da França e do Reino Unido, disseram que se quisessem resistir à ameaça alemã efetivamente eles deveriam avançar e bloquear as duas linhas de avanço alemão na Rússia que ficam nos dois lados da ampla barreira formada pelos pântanos de Pripiat.
Dum ponto de vista puramente técnico, esses eram propósitos razoáveis, mas os poloneses não queriam tropas russas, como expliquei na Casa dos Comuns (3). O que eles queriam não era mais tropas russas mas sim mais munições e suprimentos russos. A Polônia não sofria da falta de soldados corajosos e leais. Ela possuía mais do que podia equipar e manter em campo de batalha. Qual seria o benefício de bloquear as ferrovias polonesas vindas da Rússia com equipamentos das divisões russas quando esses mesmos suprimentos poderiam ter sido encaminhados diretamente às linhas polonesas que enfrentavam a invasão alemã?
Neste caso, para todos os efeitos, houve uma diferença natural de opinião, mas foi ela a causa do colapso ou havia uma  má-fé dos soviéticos guiando todos os seus passos? Isso certamente cai mal para os russos. É claro que uma pessoa pode trapacear e vencer, ainda que a longa experiência da humanidade seja a de que a honestidade é a melhor política. Mas foi certamente uma situação que nenhuma sociedade humana justificaria quando a comissão militar anglo-francesa discutia ações contra a Alemanha dia após dia com ministros e generais russos enquanto ao mesmo tempo esses mesmos ministros e o mesmo alto comando negociavam um pacto com a Alemanha, hostil aos britânicos, à França e mais perigoso ainda, à Polônia.
Há uma máxima muito parecida entre comunistas e nazistas de que nenhuma fé pode ser mantida em países ou pessoas fora de suas crenças particulares. Hitler deixou isso bem claro em seu Mein Kampf (Minha Luta), mas também por suas ações, que uma promessa ou um pacto só tem validade enquanto servir à sua conveniência. E na raiz das doutrinas comunistas há a de que não apenas nenhuma fé precisa existir mas de que nenhuma fé possa ser mantida entre não-comunistas.
É portanto muito difícil lidar com esses nobres pois são poderosos, armados e vivem em grandes números no mundo em que habitamos. É necessário ter uma permanente tentativa de estabelecer relações; encontrar uma linguagem no qual, seja em paz ou em guerra, negociações possam ser mantidas em todo o golfo. Mas precisamos ter plena certeza que no longo prazo, a fidelidade e estrita observância dos acordos sejam honrados como meio de sobrevivência e vitória e que o contrário apenas leva a uma convulsão bárbara e miserável.
Devemos ver essa verdade ilustrada nos próximos anos. Tenho lidado com as profundas reações, para qual nenhum homem consegue ver o fim, produzidas pelo acordo Hitler-Stalin sobre os sinceros comunistas e anti-comunistas por todo o mundo. Eles estão privados de qualquer liderança e assunto. Foram deixados apenas com seus apetites, oportunismo e, não nos esqueçamos, armamentos.

Estranhamento japonês

Mas o efeito da reviravolta desesperada de Herr Hitler já está surpreendentemente marcado nos países que tentaram se identificar com a crença nazista. É válido traçar essas repercussões nos vários países relevantes, quaisquer que sejam suas posições sobre o tratamento soviético à Grã Bretanha e, sobretudo, à França, com quem eles assinaram um acordo.
Não pode haver dúvida de que o tratamento dado por Hitler ao Japão atinge os mais altos níveis de cinismo e traição. Nesse caso ele é o requerente. Ele persuadiu o Japão a se juntar a um bloco Anti-Internacional Socialista e os militares de lá estavam ansiosos por transformar esse compromisso numa aliança definitiva pelo qual os nazistas estavam pressionando. Todo o processo de convencimento do Japão estava sendo realizado de forma sedutora. Agora os japoneses vêem  subitamente a Alemanha trabalhando em harmonia com o grande poder dos exércitos siberianos, que apontam ameaçadoramente ao Japão pelo norte.
Do ponto de vista britânico, podemos esperar sem sombra de dúvidas um alívio de nossas dificuldades no extremo oriente. Os militares japoneses, tendo sido insultados e traídos pelo seu parceiro europeu, devem começar a se lembrar da Grã Bretanha e dos EUA, de quem nunca receberam qualquer coisa em sua ascenção e modernização, exceto ajuda e boas intenções.
Se eles estranham hoje ao mundo que fala inglês, é apenas porque investiram numa política de agressão e conquista na China. Eles devem desistir de sua cruel e ambiciosa política, pela qual o sucesso é em hipótese alguma certo, e encontrar o caminho de volta à sanidade e segurança.
Eu nunca considerei o fascismo italiano como no mesmo nível que o nazismo, e todos foram atingidos pela grande deterioração na posição da Itália após a violenta expansão alemã no norte. Esse não é o momento para profecias que podem ser falsificadas no mesmo momento em que são impressas, mas ninguém pode duvidar que toda a base ideológica da associação entre Berlim e Roma foi destruída, e nenhum sentimento ou interesse junta esses eixos de poder.
Hitler e Stálin, aliados e causadores da II Guerra Mundial – Clique para ampliar

Como a Democracia saiu vencedora

Vamos então avaliar toda a cena e tentar aferir as consequências do acordo Nazi-soviético no sentido político.
Não há necessidade de frustração no campo das relações externas. As democracias ocidentais ganharam um alívio no extremo oriente e há possibilidades de outro no Mediterrâneo. Hitler não iria contra as convicções de sua vida se ele não tivesse sido forçado a açÕes desesperadas. O fato de que ele desejava apertar essas mãos que ele havia desprezado e estigmatizado, a ruptura nos princípios sobre os quais suas concepções políticas se firmaram, provam quanto mortais são suas necessidades e desejos. O fato da União Soviética recuar da cena européia dessa maneira e nesta conjuntura foi a causa de liberação de todas essas calamidades mundiais que ninguém consegue medir agora. Mas entre as profundas reações que seguiram dessa estranha e abrupta mudança nenhuma é mais importante do que a clara luz jogada sobre a causa da liberdade, agora desafiada como nunca antes.
Tudo que os arquitetos da Constituição Americana levaram além do oceano e encarnaram na estrutura do novo mundo está envolvido, mas além dessas grandes idéias e sistemas de governo livre e da força do cidadão individual eleva-se em gigante esplendor e simplicidade a questão moral. Ela pode ser julgada em qualquer homem com sua própria consciência. O caminho pelo qual a raça humana tem seguido foi muitas vezes obscuro e cheio de obstáculos, mas os faróis da honestidade, justiça, misericórdia e boa fé nunca arderam com tanta intensidade. Seguindo-os, certamente conseguiremos seguir nosso caminho adiante para as terras altas em que teremos espaço para todos e onde os homens de todos os lugares serão úteis para todos os outros.
Nós nessa velha ilha não tememos que os poderes absolutos confiados ao governo do rei sejam exarcebados. Eles não serão explorados poor nenhum partido ou interesse de classe. Eles serão devotados apenas a serviço da grande causa e olhamos o futuro confiantes para o dia em que nossos direitos e liberdades, dos quais abrimos mão voluntariamente, serão reestabelecidos à nação britânica e quando estiver ao nosso alcance compartilhá-lo com outras raças e povos para quem essas bênçãos são desconhecidas.
(1) Sucesso de bilheteria nos anos 1930, “G-MEN” era um filme que apresentava um agente do governo combatendo bandidos. O sucesso do filme fez nascer a gíria G-Man, que designaria agentes do governo. Leiam sobre o filme no IMDB
(2) Leiam mais sobre Mikhail Tukhachevsky na Wikipédia.
Tópicos

Um comentário:

  1. Grato pela tradução! Bom ler o pensamento de um grande estadista sobre os sistemas ideológicos nascentes, na origem.

    ResponderExcluir